quarta-feira, setembro 07, 2011

Os 5 Principais Arrependimentos de Pacientes Terminais


Post original: REGRETS OF THE DYING | Inspiration and Chai


Bronnie Ware trabalha com tratamentos paliativos para pacientes próximos do fim de suas vidas. Ela escreve sobre os principais arrependimentos que revelaram no leito de morte.


1. Eu queria TER TIDO A CORAGEM DE VIVER UMA VIDA VERDADEIRAMENTE MINHA, NÃO AQUELA QUE OS OUTROS ESPERAVAM.



Esse é o arrependimento mais comum. Quando as pessoas reconhecem que suas vidas estão acabando e olham para o passado com clareza, é fácil ver muitos sonhos que não foram realizados.

A maioria das pessoas não honra nem metade dos seus sonhos e terá que morrer sabendo que foi escolha delas.


2. Eu queria NÃO TER TRABALHADO TANTO.

Esse vem de cada paciente homem. Perderam a juventude de seus filhos e a companhia de suas companheiras.

Mulheres também citam esse arrependimento. A maioria vem de uma geração mais antiga. Muitas não eram chefes de família.

Todos os homens se arrependeram profundamente de dedicar tanto de suas vidas ao trabalho.

Simplificando seu estilo de vida e fazendo escolhas conscientes pelo caminho, é possível viver sem todo o dinheiro que você pensa que precisa.

E criando mais espaço para sua vida, você se torna mais feliz e aberto a novas oportunidades, mais adequadas ao seu novo estilo de vida.

3. Queria TER TIDO CORAGEM DE EXPRESSAR MEUS SENTIMENTOS.

As pessoas reprimem seus sentimentos para manter a paz com os outros. Como resultado, estabelecem uma existência medíocre e nunca se tornam aquilo que são capazes. Muitos desenvolvem doenças relacionadas à amargura e  ao ressentimento que carregam.

Nós não podemos controlar as reações dos outros. As pessoas inicialmente irão reagir quando você mudar o seu jeito e falar com franqueza, mas no fim isto levará a relação para um novo e mais saudável patamar. Ou retirará as relações negativas da sua vida. De qualquer forma, você ganha.

4. Eu queria TER MANTIDO CONTATO COM MEUS AMIGOS.

Frequentemente eles não percebem os benefícios de velhas amizades até suas últimas semanas de vida, e nem sempre é possível reavê-las.

Alguns se tornaram tão bitolados nas próprias vidas que deixaram amizades de ouro definharem através dos anos.

Há muito arrependimento em não dar às amizades o tempo e esforço que mereciam. Todos sentem falta de seus amigos quando estão morrendo.

É comum que pessoas com uma vida ocupada deixem as amizades definharem, mas quando você enfrenta uma morte eminente, os detalhes físicos da vida não importam.

Todos querem ter suas finanças em ordem, mas não há dinheiro ou status que sustente a verdadeira importância dos amigos.

As pessoas querem as coisas em ordem para o benefício daqueles que amam. A maioria, no entanto, fica muito doente ou cansada para pensar nisso.

No final, tudo se resume em amor e relacionamentos. Isso é tudo que fica nas semanas finais: amor e relacionamentos.

5. Eu queria TER ME PERMITIDO SER MAIS FELIZ.

Essa é surpreendentemente comum. A maioria não percebe que felicidade é uma escolha. Ficaram presos a velhos padrões e hábitos.

O chamado "conforto" da familiaridade sobrepôs suas emoções, assim como suas vidas físicas. Medo da mudança os levou a fingir para os outros e para si mesmos que estavam contentes.

Lá no fundo, sentem falta de dar boas risadas e de ter um pouco de amenidades na suas vidas.

Quando você está no leito de morte, o que os outros pensam de você fica longe da sua mente. Como seria maravilhoso ser capaz de deixar fluir e sorrir de novo, muito antes de estar morrendo.

Vida é escolha. A vida é SUA. Escolha com consciência, com sabedoria, com honestidade. Escolha ser feliz.


Nenhum comentário: